Atualizado: 17 de mai. de 2021

Os arranjos coletivos do Beatles Cordel têm zabumba, sanfona, viola, violão, percussão e contrabaixo – cuja interação com o personagem Seu Quité traz ainda mais alegoria às músicas, e aos textos de Giovani Bruno e Gabriel Beibi.


Giovani Bruno é Seu Quité: “Vô contá um acontecido/ Que parece inventado/ Mas já deixo garantido/ Que é fato confirmado/ E loguinho me apresento/ Pra deixá tudo provado/ Antes de falá meu nome/ Um detalhe pra registro/ Coisa pouca, coisa besta/ Nem se avexe, eu insisto/ Vou contá sobre esse causo/ Só que eu mesmo nem existo”.

E segue: “(…) Descobri um forró novo/ Meu radinho endoidô/ Aqui nesse fim de mundo/ Ninguém nunca encontrô/ Uma estação em inglês/ Mas eu já conto pra vcs (…) Tem um tal de João Eleno/ vocalista dos bendito/ Paulo Macarti, Jórgi Réro/ E por último um nome esquisito/ Chama Ringo o ritmista/ E esses são os 4 artistas/ Desse grupo chamado: Os Brito! (…)”.


E é aí que reside a pujança do Beatles Cordel: tocar e cantar cada uma das oito canções de John Lennon e Paul MacCartney, após Seu Quité recitar um cordel. Por exemplo: “Paulo Macarti ouviu/ Com desmedida atenção/ As melodias bonitas/ Que adornavam a canção/ Foi quando ele descobriu/ Nós tocamos “Assum Preto”/ Do nosso Rei Gonzagão/ Paulinho se emocionou/ E com a canção teve dó/ Pois ela contava assim/ A história de um passarim/ Que teve os óio furado/ Que é pra assim cantar melhor (…)”. Na sequência, com garra admirável e participação de Bruno Lins, o BC canta “Blackbird” (Lennon e MacCartney).


Enquanto a simbiose do forró com o pop segue dando ares delirantes à cena, lá vão os rapazes. Com pegada nordestina, a cantoria vibrando como num forró pé de serra, o Beatles Cordel arrebata quem os escuta. Leia o texto completo em: https://jornalggn.com.br/destaque-secundario/o-beatles-cordel-por-aquiles-rique-reis/